COMUNICADO

Janeiro 15, 2021

O Presidente da Comissão da Comunidade Económica dos Estados da África Central (CEEAC), Sua Excelência o Embaixador Gilberto da Piedade VERÍSSIMO, acompanhou com grande consternação e indignação os ataques simultâneos dos grupos armados da « Coligação dos Patriotas para a Mudança » (CPC), perpetrados em 13 de Janeiro contra a cidade de Bangui e que se soldaram, entre outros, num morto e um ferido nas fileiras dos capacetes azuis do contingente ruandês da Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização na República Centro-africana (MINUSCA).

O Presidente da Comissão da CEEAC condena firmemente estes ataques que violam os compromissos assumidos no quadro do Acordo de Paz e de Reconciliação de 06 de Fevereiro de 2019 e marcam um recuo relativamente aos esforços de consolidação da democracia e da paz em curso na República Centro-africana (RCA) desde o fim do ciclo eleitoral de 2016.

Inclinando-se perante a memória do valorozo soldado da paz tombado heróicamente, saudando de igual modo a coragem do soldado ferido na defesa do direito do povo centro-africano a viver num clima de paz e de liberdade e, desejando-lhe as rápidas melhoras, apresenta em nome da Comunidade, suas sinceras condolências à MINUSCA, ao Governo ruandês e à família enlutada.

Recorda aos chefes dos grupos armados coligados no seio do CPC e aos seus patrocinadores políticos a sua responsabilidade individual relativamente às consequências dos seus atos no âmbito do direito internacional, em conformidade com a Declaração dos Chefes de Estado e de Governo da CEEAC sobre a situação na RCA, de 26 de Dezembro de 2020.

O Presidente da Comissão da CEEAC aproveita o ensejo para recordar a imperiosa necessidade do respeito do princípio de resolução pacífica dos diferendos consagrado pelo direito internacional e apela uma vez mais todas as partes centro-africanas a porem fim, imediatamente às hostilidades e à violência daí resultantes, e de se empenharem realmente num diálogo político construtivo e profícuo para a RCA, de que a organização comunitária constitui garante e que a mesma comprometeu-se em viabilizar.

15 DE JANEIRO DE 2021