ALOCUCÃO DE S.E. O EMBAIXADOR GILBERTO DA PIEDADE VERÍSSIMO, PRESIDENTE DA COMISSÃO DA CEEAC, POR OCASIÃO DA APRESENTACÃO DE VOTOS COM OS TRABALHADORES

Janeiro 18, 2021

Libreville, 15 de Janeiro de 2021

,

Senhora Vice-Presidente da Comissão

Senhoras e Senhores Comissários

Senhora e Senhores Conselheiros

Senhoras e Senhores Diretores

Senhoras e Senhores segundo suas categorias e funções

Caros colegas e colaboradores

 

Um ano chegou ao fim e um novo ano se inicia. Nós passamos assim do ano 2020 para o ano 2021 que teve o seu início há quinze (15) dias apenas. E tornou-se uma tradição de se formular votos durante o primeiro mês de  cada ano nas instituições e organizações.

É o ritual que cumprimos hoje com a realização desta primeira cerimónia de apresentação dos votos na vigência da Comissão e, segundo os mais antigos, a primeira vez que se assiste a este ato na CEEAC. Permitam-me portanto saudar esta iniciativa que, não nos distancia do nosso contexto e de suas realidades, mas  pelo contrário, se inscreve e se enraiza profundamente nos mesmos.

Como se inscrever e estar enraizado num contexto sem se deixar impregnar das suas alegrias, suas angústias e de suas esperanças ? Mas como interiorizar a sua real noção sem contemplar retrospetivamente e explorar de forma prospetiva as vias de nossas esperanças ?

As cerimónias de apresentação de votos impõe-nos este exercício cuja utilidade para uma organização como a nossa não deixa dúvidas. Uma organização, cuja ambição constitui a missão de integração e da Comunidade que daí resulta, apreciando bem o passado para se contruir melhor o futuro cujo percurso se traça a partir do presente. Num projeto de integração, a apreciação do passado constitui sempre a melhor forma de se antever um outro futuro a partir do presente.

Senhoras e Senhores

Caros colegas e colaboradores

Nós registamos hoje um pouco mais de cem dias de percurso comum. Para além da forte presença da pandemia da COVID-19 que alterou profundamente as práticas de trabalho a que estavámos habituados e, que não permitiu, de fato que libertássemos todas as nossas energias e que revelássemos as nossas potencialidades, estes cem dias foram marcados por um trabalho coletivo que tornou possível :

  • A organização do nosso retiro externo de planificação que conduziu à adoção, num espírito de colegialidade, de um plano estratégico para o quinquénio 2021-2025 e de um plano de ações prioritárias para o ano 2021;
  • A organização e a realização de duas (02) sessões da Conferência dos Chefes de Estado e de Governo em que a Comissão ajudou a Comunidade a construir a via do compromisso comum e da não-indiferença. É o que representa a atitude relativamente à RCA expressa em duas Declarações e o apoio militar que a região organiza atualmente a fim de ajudar este Estado membro ;
  • A prossecução dos programas em curso ;
  • A organização e a realização de uma importante missão internacional de observação eleitoral na República Centro africana (RCA) e de apoio técnico às autoridades da RCA ;
  • A organização e a realização da primeira etapa de um retiro interno de lançamento do trabalho de elaboração de uma estratégia de mobilização de recursos, que deve conduzir-nos à definição de conceitos próprios da CEEAC para a importante atividade que representa a Mobilização de Recursos para o funcionamento da nossa Organização e o desenvolvimento da região da África Central.

Estes êxitos devem levar-nos a termos a plena consciência da importância do trabalho de equipa e uma grande preocupação de desempenho a fim de se materializar uma visão que produza mais valia para a nossa região, os seus Estados e seus povos.

Esta experiência permite-nos tirar um ensinamento : é possivel irmos mais além e mesmo remover montanhas, juntos. Trabalhar e progredir em conjunto é a via mais segura para se realizarem as grandes ações ao serviço da Comunidade e da integração.

As realizações perenes são normalmente o fruto de combates ou de batalhas coletivos e não individuais. Portanto será em conjunto, animados de um espirito de melhor desempenho e unidos em torno de uma visão que devemos enfrentar o ano 2021.

Eu exorto-os vivamente neste sentido na perspetiva do êxito da nossa dupla ambição de alcançarmos o sucesso na integração regional e na construção de uma Comunidade dinâmica. Mas, nós só poderemos resolver este desafio de trabalharmos em conjunto, animados de um espírito direcionado para o desempenho e a união em torno de uma visão mobilizadora, se formos capazes de combater quatro tentações que constituem algumas principais fragilidades na CEEAC ; Estas tentações e fragilidades são o individualismo, a retenção generalizada da informação, o nacionalismo e a falta de humildade.

 

Senhoras e Senhores

Caros colegas e colaboradores

O individualismo de que faço aqui alusão gera geralmente um bloqueio ao ponto de nos isolarmos e de levarm-nos à ilusão se sermos cada um, individualmente uma CEEAC, quiça a autêntica CEEAC . Este mesmo bloqueio leva-nos a transformar o que pertence a todos em direito num bem privado e exclusivo. Esta atitude que se dissimula por traz das retenções de informação de que nos tornamos culpados quotidianamente no nosso meio profissional. O bloqueio de que eu fazia eco leva-nos mesmo a rejeitar o mundo como é na realidade, ou seja com a sua diversidade e o pluralismo cultural que o caraterizam. Esta rejeição da aceitação da diversidade e do pluralismo cultural converte-se rapidamente num vínculo exarcebado com a sua propria nação, portanto um nacionalismo estrito. Se o nacionalismo dissimula em si uma falta de humildade, porque que o mesmo faz-nos pensar que não existe nada que tenha valor para além do que provém da  própria nação, o mesmo se baseia sempre numa falta de humildade individual. No meio profissional que é o nosso, esta falta de humildade individual traduz-se na tentação de pensar que se é o único detentor do conhecimento e da ciência. Esta pretensão que muitos não suportaram nos nosos Estados e que os levou a nos imporem o artigo 114 do Tratado revisto, para dizer-nos de alguma forma que não éramos indispensáveis.

É portanto não sómente no interesse da Comunidade e para a causa da integração, mas também para a nossa organização que se torna necessário que mudemos a nossa visão e que abandonemos definitivamente as nossas lacunas acima evocadas para nos convertermos ou reconvertermos no homem cujo perfil seja adequado ao trabalho numa organização como a nossa e para a causa da integração regional. Não constitui dúvidas para nenhum dentre os presentes que é pelos homens e com os homens que se construirão uma verdadeira Comunidade e a integração regional na África Central. O capital humano é portanto a nossa melhor alavanca nesta dupla missão. Eu gostaria que cada um tivesse presente a minha convicção de que é a qualidade deste capital humano que fará no futuro a diferença na realização da nossa ambição. Eis a razão porque eu assumi o risco de adotar uma atitude pragmática na aplicação do artigo 114 do Tratado revisto, ainda que alguns dentre vós o tivessem interpretado de forma contrária ao ponto de se embrenharem em tentações e manobras que acabaram por prejudicar ou afetar seus próprios interesses e os de muitos outros na organização.   

Tratando-se de uma disposição estatutária em vigor, deve-se respeitá-la integralmente continuando no entanto a explorar as vias e os meios enquanto janelas de oportunidades para se ultrapassarem os obstáculos que se nos colocam na aplicação deste artigo, não levando a organização à perda de alguns talentos de que dispõe e prosseguindo a via da renovação do pessoal e busca de quadros experientes e de grande qualidade que, contráriamente ao que podemos pensar, existem realmente nos nossos Estados, para se fazer face aos atuais desafios ligados à construção da Comunidade e da integração regional. Daí que apele para o fim dos deformados juízos relativamente à aplicação do artigo 114, dirigindo-me de igual modo aos que atingiram a idade da reforma e aos que perderam toda a motivação e ânimo pelo desempenho para que compreendam que a sua honra assenta-se na livre opção  ou consentida de outros caminhos de realização pessoal. Esta atividade terá o seu início muito brevemente, logo que as condições de recrutamento progressivo de um novo pessoal estiverem reunidas para a sua implementação.

 

 

Senhora e Senhores

Caros colegas e colaboradores

Em diversas ocasiões apercebi-me da angústia de alguns dentre nós quanto aos recursos de que os respetivos serviços necessitam para a implementação dos Planos que foram eleborados sob a minha direção, o Plano de Ações Prioritárias 2021 e o Plano Estratégico quinquenal 2021-2025. Ainda que alguns dentre nós pudessem apreender a lentidão cuja explicação se encontra essencialmente na modicidade e na imprevisibilidade dos recursos financeiros, como uma falta de interesse relativamente a certas atividades, eu queria sublinhar de forma veemente e clara a consciência que tenho sobre a relação ente o desempenho e capacidades  

Certo, eu sei que a execução do nosso ambicioso Plano de Ações Prioritárias 2021 que prevê múltiplas ações em torno de questões tão diversas como a contribuição da África Central para a implementação da ZLECAF, o estabelecimento de um Banco de Desenvolvimento e de um Fundo de Cooperação e Desenvolvimento, o desenvolvimento de projetos de infra-estruturas de integração física, a livre circulação de pessoas e bens, a melhoria da segurança marítima, o reforço das relações com as instituições especializadas da Comunidade, a revitalização da camâra de compensação e o estabelecimento do Parlamento regional tornam-se difíceis, dada a falta de recursos humanos e materias adequados.

É na realidade o momento que esperava para apelar-vos no sentido de desenvolverem um espírito de criatividade relativamente às questões da Comunidade, reforçarem a capacidade em se dedicarem à CEEAC ao invés de buscarem únicamente que a mesma nos proporcione melhores condições de vida a que almejávamos antes de ingressá-la, assim como a vossa capacidade de imaginação suscetível de ajudar a saber como fazer mais com o pouco, ao invés de fazer das dificuldades « uma cadeira para se acomodar ».

Assim como precisamos de recursos humanos em relação aos quais me comprometi em melhorar a sua remuneração e as condições de trabalho e de vida através de vantagens claras, espero de igual modo dos mesmos que sejam disponíveis e eficazes. Para além das declarações e dos contratos de desempenho que serão assinados, é a consciência de um contrato moral com a organização que deverá animar e dinamizar o compromisso de uns e outros ao serviço da Comunidade na organização e na integração regional.

Tomei a decisão de fazer deste evento a ocasião para interpelar e ajudar cada um de nós à abertura do espírito na esperança de um futuro melhor, mas com a sua própria contribuição.  

Permitam-me concluir a minha alocução com estas palavras.

Para cada um de vós e para os membros das vossas famílias, eu formulo os votos de um bom e feliz ano 2021.

Que neste ano, tenham saúde, prosperidade, paz e êxitos profissionais.

Que obtenham a vitalidade, a energia e a paixão que requere o empenhamento ao serviço de uma causa como a construção da integração regional e de uma Comunidade capaz de transformar o destino e a vida dos povos da nossa região da África Central.

Um Bom e Feliz Ano 2021 a cada um e a todos !

Eu agradeço pela vossa atenção.